som ambiente

q

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Não namore uma garota que viaja

Oi meu cantinho,



Hoje pensando em todos os caminhos percorridos até aqui, fiquei me perguntando como algumas coisas mudaram pra mim. De repente percebi que gosto de viajar sozinha, egoismo? não, apenas prefiro e ponto final. 
Lendo alguns blogs que sigo, encontrei um texto em inglês que me prendeu a atenção e talvez explique um pouco do porquê gosto de viajar sozinha. Muitas pessoas não sabem realmente apreciar a viajem, o lugar por onde estão passando, não compreendem o sabor de conhecer um caminho fora do trajeto simples dos  turistas. Eu chamo isso de minha visão particular pelos lugares por onde passo. 


Vou postar apenas alguns trechos do texto extraido do blog http://www.lovethesearch.com

Enjoy it :)


- " dont date a girl who travels"
NAO NAMORE UMA GAROTA QUE VIAJA



- Ela é aquela com cabelo bagunçado, descuidado e queimado de sol. Sua pele agora está longe daquele tom pálido que costumava ter. Não chega nem a ser bronzeada. É queimada mesmo, com várias linhas de sol, cicatrizes e picadas por toda parte. Mas para cada marca em sua pele, ela tem uma história interessante para contar.




- Nunca namore uma garota que viaja. Ela é difícil de agradar.  O tradicional jantar e cineminha vai acabar a matando de tédio. Sua alma clama por novas experiências e aventuras. Ela nunca se impressionará com seu novo carro, com seu relógio caro ou aquele terno chique que você comprou. Ela preferiria estar escalando uma montanha, decobrindo novas culturas ou saltando de para quedas do que ficar ouvindo você falar dessas coisas chatas.

- Nunca namore uma garota que viaja. Ela vai ficar te enchendo para fazer uma reserva toda vez que rolar alguma promoção de passagem aérea. Ela não vai querer ir aos bares da moda e ela nunca vai pagar mais de R$100,00 para entrar em algum  lugar porque ela sabe que um fim de semana na balada equivale a uma semana em algum lugar muiiiito mais interessante.
- Ela não conseguirá ficar muito tempo num emprego fixo e chato, provavelmente passará seus dias pensando em uma maneira de se demitir, e ela fará! Irá preferir ser freelancer para continuar suas viagem quando bem desejar. Ela deve ter desencanado de seguir a carreira na qual se formou e mudou completamente de profissão. Agora ela deve ser instrutora de mergulho ou professora de yôga.
E não ouse desperdiçar o tempo dela queixando-se sobre o seu trabalho chato, você fez suas escolhas.

- Nunca namore uma menina que viaja porque ela escolheu uma vida de incertezas. Ela não terá planos e nem endereço fixo. Ela irá com o fluxo e seguirá os desígnios de seu coração. 
Ela se joga e recebe o que a vida tem a oferecer e ainda te desafia a fazer igual.
Ela vai dançar na sua própria batida. Ela não usa relógio, seus dias são regidos pelo sol e pela lua. Quando as ondas chamam, a vida para e ela fica alheia a tudo naqueles instantes.

- Nunca namore uma garota que viaja porque ela costuma dizer o que pensa. Ela nunca se esforçará para impressionar os seus pais ou seus amigos. Ela sabe respeitar os outros, mas não vai ter medo de debater questões globais ou responsabilidade social.
Ela nunca vai precisar de você, ela sabe armar uma barraca e colocar as quilhas na prancha sozinha. Ela cozinha e não precisa que você pague suas refeições. Ela é independente demais e não vai estar nem aí se você for viajar com ela ou não. Ela fala com estranhos, ela vai encontrar um monte de pessoas interessantes do mundo todo que pensam como ela e dividem os mesmo sonhos e paixões. Ela vai ficar de saco cheio de você.




Sendo assim, nunca namore uma garota que viaja a não ser que você consiga acompanhá-la e ai, com certeza você irá se apaixonar  por ela.

Mil beijos!!!! 

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

O que realmente vale para você?

Sim, começo hoje com essa pergunta, O que realmente tem valor pra você neste instante ou quem sabe um futuro próximo ou distante?
Um IPhone XXX de última geração? Um carro potente e luxuoso que seus amigos e vizinhos  vão babar de inveja? Uma calça jeans nova todo mês? Baladas, baladas e mais baladas todos os fins de semana?
Bem, cada um prioriza aquilo que lhe faz feliz, não é mesmo?
Mas, será que isso realmente agrega valor a sua vida, a sua felicidade, ao seu conhecimento?
Muitas pessoas querem ter o privilégio de mudar de vida, sair da zona de conforte que tanto lhes incomodam, largar emprego e sair viajando por ai. Mas, desistem no primeiro obstáculo: a falta de dinheiro.

Será mesmo que há essa falta de dinheiro? Ou será que apenas não sabem o que realmente importa? Me pergunto qual a razão de cada vez mais pessoas precisarem tanto comprar a última geração de IPhone, IPad, IPod, se individarem em parcelas de 60 meses daquele carro chick só pra ter um status na sociedade e ficar eternamente sem ter mais nada como gastar.

Bem, eu optei em largar tudo que me trouxesse uma felicidade temporária e investir naquilo me me dá realmente prazer e me deixasse rica ( em cultura é claro).
Num certo momento da vida, já não era mais importante ter um IPod Touch mas sim poder conhecer um país com uma cultura totalmente diferente da minha como a India, ou pisar em um terreno que foi cenário de batalhas como o Coliseu na Itália ou molhar os pés nos rios de Veneza, ou fazer um pedido embaixo da Torre Eiffel ou conhecer o lugar onde Joana D´Arc foi queimada viva. Isso, meu caro, não tem preço.


Quando comecei o meu planejamento para viver algum tempo viajando pelo mundo as pessoas acharam que eu era rica. Por onde passo, em diferentes países, ainda acham ao me perguntarem quanto tempo estou viajando.
Na verdade, não sou nem rica nem pobre, apenas priorisei o que era mais importante para minha vida em um certo momento.
Quando ainda trabalhava na última empresa, ganhava abaixo da média da minha categoria se comparado em outros estados. Trabalhei em dois empregos ao mesmo tempo e deixei de gastar dinheiro com coisas que não eram realmente importante. Foram anos imaginando os lugares por onde poderia passar e quanto seria necessário economizar.
Muitas pessoas dizem que desejam viajar mas não tem contições financeiras. Eu acredito que todos conseguem se realmente assim o desejarem, porém será necessário fazer sacrifícios para atingir sua meta, mas sempre será possível.
Seja em viagens curtas ou um longo tempo na estrada, há vários recursos que se pode usar para que não fique sem a grana necessária para continuar.
Estou na estrada há 8 meses e confesso que tive que segurar o bolso, reavaliar meus caprichos e deixar a frescura de lado para conseguir economizar o máximo e aproveitar ainda mais. Após esses meses, consegui arrecadar fundos para seguir por mais 8 meses se assim eu quizer e é claro que eu quero continuar, afinal das contas o mundo é minha pátria.
Espero que muito outros também possam reavaliar suas prioridades!

Mil beijokas







segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Encontrei Anjos

Encontrei Anjos pelo meu caminho. Anjos perdidos, atrapalhados, confusos, espertos, amorosos, amigos carrancudos, brincalhões. Cada um com suas manias, maneiras e afetos, mas todos me protegeram da melhor forma possível. Todos me levaram a salvo pelos caminhos difíceis e perigos por onde passei.

Cada sorriso, cada aperto de mão me aqueceram o coração nos momentos de solidão, de dificuldades que passei. Muitos desses momentos onde você se pergunta: E agora, o que faço? Mas, de repente aparece em sua frente alguém, do qual você nunca viu, te ajuda, te estende a mão, te conduz da forma mais bondosa e despretenciosa que alguém pode ser. E depois vai embora, simples assim, você não sabe o nome e nem nada sobre essa pessoa, mas sabe que naquele momento ela foi um anjo que guiou seus passos.


Um brilho no olhar é como vc consegue identificar este anjo.
Ao longo dessa minha jornada por estradas desconhecidas e longínquas muitos anjos passaram pelo meu caminho. Uns se foram e outros continuam ao meu lado. Assim sigo, em busca da próxima aventura, do próximo destino, agradecendo a cada anjo que me espera e me proteje.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

New Lover - Edinburgh

Oi meu cantinho,


Vou pular algumas publicações que já deveria ter feito aqui das cidades por onde passei por esses 8 meses que estou mochilando, para publicar direto sobre uma cidade que virou minha queridinha do coração, depois de Paris é claro, mas  que me conquistou tão profundamente que fiquei sentida quando tive que partir. EDINBURGH ou Edimburgo em português.

Esse foi meu presente de natal e ano novo, uma viagem pra conhecer a tão esperada terra escocesa que eu queria e em seguinda passar por Londres.





Bem, não tinha  a menor noção sobre Edimburgo, mas, meu subconsciênte ficava martelando para que eu fizesse essa viagem, pois sempre fui fascinada pela histórias da Escócia.
Para quem assistiu Braveheart sabe do que estou falando, aqueles escoceses de saia quadriculadas... hummmmm...

Cheguei num dia maravilhoso de sol, mas muito frio. Já na entraga me apaixonei, foi como cena de filme, dia claro, com raios de sol entrando pela janela do ônibus, e ao longe vejo um castelo em uma montanha. Foi o ponto chave para abrir aquele sorriso, o Castelo de Edimburgo (Castle Rock), em torno do qual nasceu a cidade. Esse castelo é considerado mal assombrado devido a diversas mortes crueis ocorridas por lá, mas mesmo assim é fenomenal.


A cidade é cheia de encantos e histórias antigas. Seu centro histórico ainda guarda muitos aspectos da época medieval. Escavações arqueológicas indicam que os primeiros assentamentos da região datam de cerca de 7000 a.C. e a colina do Castelo de Edimburgo tem sido ocupada desde 1000 a.C.



Castle Rock 


Edimburgo virou patrimônio da humanidade pela Unesco, devido às belezas naturais e sua riqueza cultural. Muitas das paisagens exuberantes já foram até cenário de filmes hollywoodianos, como Coração Valente ( Braveheart), Highlander e Guerreiro Imortal.


Fiquei hospedada em um hostel a pé do Castelo, Castle Rock Hostel, melhor lugar não há, adorei.



Greyfriars Bobby, o cachorrinho com honras


Uma coisa que se destaca nesta cidade é que há vários guias turísticos fazendo os free tours de 1 em 1 hora explicando e contando várias histórias antigas que envolvem lendas e personagens que marcaram cada época.  Conheci o lendário Greyfriars Bobby, o cachorro da raça Skye Terrier, que ficou conhecido em Edimburgo, no século XIX por  ter passado 14 anos     guardando o túmulo de seu dono, até sua própria morte em 14 de Janeiro de 1872. Ele até ganhou título de cidadão e a chave da cidade.



Visitei a escola que inspirou a escritora do livro Harry Potter, subi um dos montes para visitar o Calton Hill e ter uma vista estupenda da cidade, passamos pela rua do último trago, onde o povo saia pra beber fazendo peregrinação de pub em pub até o último da rua, onde normalmente muitos acabavam caidos de bebados. Uma paradinha pra ouvir mais uma história macabra de condenação e enforcamento público até então comum e desejado pelo povo.



guerreiros Vikins


Como fui no fim do ano, estava acontecendo vários eventos e comemorações. Tive muita sorte, pois na última noite que passei por lá, ocorreu a Torchlight Procession Edinburgh's Hogmanay, que é o evento que abre as comemorações do Hogmanay ou New Year’s Eve, na Escócia. A banda com Bagpipes ( as famosas gaitas escocesas) é seguida pelos guerreiros que representam os Vikins com tochas e suas armas de guerra e por último vem as pessoas acompanhando também carregando as tochas. 


Começa sempre em frente a Catedral de St Giles, que fica na Royal Mile e segue pelas ruas de Edimburgo formando um rio de fogo....


St Giles Cathedral

 A emoção é muito grande em estar ali com eles.
Outra coisa que ficou muito marcado foi a gentileza das pessoas, todas muito educadas e solícitas, inclusive os guardas nas ruas. Fiquei muito feliz mesmo com a forma com que todos me trataram.


Aqui fica o meu coração e espero que eu consiga ainda voltar a esse lugar que me encantou com sua arquitetura antiga e pessoas muito simpáticas e atenciosas.


Pré Festa de Ano novo 




meu olhar 



Kilt e Gaita escocesa :)

Calton Hill iluminado com os feixes de luzes representando o simbolo da bandeira escocesa

Castelo de Edimburgo ao fundo -  vista do morro de Calton Hill
Castle Rock
Castle Rock

Castle Rock
Castle Rock


                     The National Monument of Scotland