som ambiente

q

domingo, 9 de janeiro de 2011

A Lenda da Fênix


A lenda da Fénix está relacionada com o Egipto e com o culto pelo Sol, mas a sua pátria era a Etiópía. Uma Fénix poderia viver durante um período de tempo que alguns mitólogos calculam em quinhentos anos, outros em mil quatrocentos e sessenta e um, e outros ainda, em doze mil novecentos e cinquenta e quatro anos.
Há no entanto um ponto em que são unânimes: o aspecto da Fénix era de uma beleza inigualável. Maior do que uma águia, a sua plumagem ostentava as mais belas cores: vermelho fogo, azul claro, púrpura e ouro, e todos afirmam que Fénix era mais formosa que o mais formoso de todos os pavões reais.
Mas a lenda da Fénix diz sobretudo respeito à sua morte e resurreição. É uma ave única e portanto não pode reproduzir-se como as demais.
Quando a Fénix sente que chega o fim da sua existência, recolhe e acumula plantas aromáticas: incenso, cardamomo e resinas. Constrói com todas elas um grande ninho exposto aos raios solares. O calor do Sol, incidindo sobre as plantas secas, incendiará o ninho e a Fénix arderá com ele e converter-se-a em cinza.
Então, dessa cinza, impregnada com os restos da Ave, nasce uma pequena larva, que, em pouco tempo, se transfomará na nova Fénix, cujo primeiro cuidado, será depositar num tronco oco os restos do seu progenitor. Escoltada por uma grande quantidade de aves de espécies diversas, levará essa relíquia até Heliópolis, no Egipto, depositando-a no altar do Sol.
Acabada esta cerimónia de homenagem, a jovem Fénix voltará à Etiópia, e aí viverá, alimentando-se de gotas de incenso, até que chegue o fim dos seus dias.


Fonte: http://magicways.spaces.live.com/blog/cns!9E54FE5169740E0F!1094.entry