som ambiente

q

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Desiderata - Aquilo que se deseja.


Olá meu Cantinho... que dia hoje emmm... calor de mais de 35 graus, vésperas de natal, mas não é esse espírito que me invade. Sem muitas palavras, porque hoje elas me faltam, quero registrar um texto muito interessante que li na net. Não são minhas, mas me agradam e animam neste dia.
Vá placidamente por entre o barulho e a pressa e lembre-se da paz que pode haver no silêncio. 
Tanto quanto possível, sem capitular, esteja de bem com todas as pessoas. 
Fale a sua verdade calma e claramente; e escute os outros, mesmo o estúpido e o ignorante;  também eles têm sua história.
Evite pessoas barulhentas e agressivas: elas são tormento para o espírito.
Se você se comparar a outros, pode tornar-se fútil e amargo;
porque sempre haverá pessoas superiores e inferiores a você.
Desfrute suas conquistas, assim como seus planos.
Mantenha-se interessado em sua própria carreira, mesmo que humilde;
é o que realmente se possui na sorte incerta dos tempos.
Exercite cautela nos seus negócios;  porque o mundo é cheio de artifícios; 
mas, não deixe que isso o torne cego à virtude que exista.
Muitas pessoas lutam por altos ideais;  e por toda parte a vida é cheia de heroísmo. 

Seja você mesmo.
Principalmente, não finja afeição.
Nem seja cínico sobre o amor, porque em face de toda aridez
e desencantamento ele é perene como a grama.
Aceite gentilmente o conselho dos anos, renunciando com benevolência às coisas da juventude.
Cultive a força do espírito para proteger-se num infortúnio inesperado.
Mas não se desgaste com pensamentos negros.
Muitos temores nascem da fadiga e da solidão.
Além de uma benéfica disciplina, seja bondoso consigo mesmo.
Você é um filho do Universo, não menos que as árvores e as estrelas.
Você tem o direito de estar aqui.
E quer seja importante ou não para você, sem dúvida o Universo se desenrola como deveria.
Portanto, esteja em paz com Deus, qualquer que seja sua forma de concebê-lo.
E seja qual forem a sua lida e as suas aspirações, na barulhenta confusão da vida,
mantenha-se em paz com a sua alma.
Com todos os enganos, penas e sonhos desfeitos,
este é ainda um mundo maravilhoso.
Seja otimista!
Empenhe-se em ser feliz!

DESIDERATA - Do Latim Desideratu: Aquilo que se deseja, aspiração.


Este texto foi encontrado na velha Igreja de Saint Paul, Baltimore, datado de 1692. 
Foi citado no livro "Mensagens do Sanctum Celestial", do Fr. Raymond Bernard.
texto é de Max Ehrmannn e foi registrado pela primeira vez em 1927. 


Hoje em dia pertence à © Robert L. Bell. 


Mil beijos!!!!


quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

A liberdade, o que é?

Oi meu Cantinho...


Novamente quero deixar registrado neste meu espaço - onde guardo meus segredos, pensamentos , vontades e compartilho conhecimentos - os ensinamentos de um grande Filósofo e mestre ( mesmo que ele assim não se intitulava).

Há algumas semanas iniciei uma nova leitura: A MENTE SEM MEDO, de Krishnamurti, indicado por um amigo.
Na confusão mental que estava há algum tempo, onde alguns me diziam que era um conflito interno, essa leitura me ajudou a encontrar uma saída, a respeitar as minhas vontades e entender melhor essa sociedade que vivemos.
Vários trechos me trouxeram à razão.
Então, compartilho aqui alguns desses trechos; inicio com a primeira frase que me chamou a atenção.

  • Liberdade supõe total ausência de problemas, não achais?
    Porque, quando a mente é livre, pode observar e agir com perfeita clareza; ela pode ser o que é, sem consciência de nenhuma contradição. Para mim, uma vida de problemas – econômicos ou sociais, particulares ou públicos – destrói e perverte a clareza.”
  • “Para nos acharmos neste estado de liberdade – o qual é dificílimo de compreender e requer muita perquirição – necessitamos de uma mente não perturbada, uma mente quieta; uma mente que esteja funcionando totalmente, não apenas na periferia, mas também no centro.”
  • “ A mente que tem um problema que lhe causa verdadeira perturbação, e encontrou meios de fugir a esse problema, continua sendo uma mente inibida, acorrentada: não é livre.”
  • “ Por certo, só em liberdade pode haver mudança.”
  • “ Assim, tenho de conhecer-me, pois, sem o conhecimento de mim mesmo, nunca terá fim o conflito, nunca terá fim o medo e o desespero, nunca haverá compreensão da morte. Compreender a mim mesmo é aprender a respeito do corpo físico e das várias reações nervosas, é estar cônscio de cada movimento de pensamento; é compreender a coisa denominada “ ciume”, “brutalidade”, é descobrir o que é afeição, amor. É compreender sobretudo, aquilo que constitui o “eu”, o “ vós”.
  • “ A maioria de nós não é verdadeiramente livre; e, para mim, a menos que sejamos livres – livres de nossas preocupações, de nossos hábitos, de nossas deficiências psicossomáticas, livres do medo – nossa vida continua sendo terrivelmente superficial e vazia, e nessa condição vamos envelhecendo e morrendo.”
  • “ O que importa é perceber que a mente em que há conflito é uma mente destrutiva, porque está constantemente a deteriorar-se.”
  • “Nossa vida é uma série de “ desafios” e “ respostas”, e devemos ser capazes de enfrentar cada desfio de maneira completa, porque, do contrário, cada momento nos trará novos problemas. “
  • “ Liberdade é uma necessidade.” E essa liberdade é negada, quando TRANPORTO um problema de um dia para o outro.”
  • “Toda fuga gera novos problemas.”
  • “ Como ente humano que está vivendo em determinada cultura ou comunidade realmente necessitais de liberdade, tanto quanto necessitais de alimento, de satisfação sexual, de conforto; ATÉ ONDE ESTÁIS DISPOSTO A IR, A FIM DE SERDES LIVRE.”
  • Ora, por certo, um problema surge quando há em mim uma contradição. Se não há contradição em nenhum nível, não há problema algum.
  • A liberdade não é um ideal, uma coisa remota; ela não é a ideação, que é apenas teoria de uma mente prisioneira. Só pode existir liberdade quando a mente já não está sendo tolhida por nenhum problema. A mente que tem problemas jamais pode comungar com a liberdade ou estar cônscia dessa coisa extraordinária que é a liberdade.
Um pouco sobre o autor:
Jiddu Krishnamurti (1895-1986) foi um filósofo e místico indiano.
Entre seus temas estão incluídos revolução psicológica, meditação, conhecimento, relações humanas, a natureza da mente e a realização de mudanças positivas na sociedade global.
O cerne do seu ensinamento consiste na afirmação de que a necessária e urgente mudança fundamental da sociedade só pode acontecer através da transformação da consciência individual. A necessidade do autoconhecimento e da compreensão das influências restritivas e separativas das religiões organizadas, dos nacionalismos e de outros condicionamentos, foram por ele constantemente realçadas.
Em suas palavras:
"Afirmo que a verdade é uma terra sem caminho. O homem não pode atingi-la por intermédio de nenhuma organização, de nenhum credo (…) Tem de encontrá-la através do espelho do relacionamento, através da compreensão dos conteúdos da sua própria mente, através da observação. (…)" Krishnamurti


Enfim, fica ai a pergunta :

Vou prosseguindo na minha leitura, e no despertar da consciência.

Mil beijos  

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

AS DESPEDIDAS


As despedidas são assim, tristes, vazias e nos fazendo pensar no que aconteceu!!!
Olhamos para nós mesmos e avaliamos quem somos, como agimos e o que queremos!
Olhamos o outro, com todos os olhares possíveis, de amor, de rancor, de dúvidas, de apego e de desapego, de compreensão.
Mas, o que deve ficar é o olhar de carinho, de gratidão por aquela pessoa ter feito, por alguns instantes, a sua vida mais importante, mais feliz, complementando, somando experiências.
E, se não deu certo, abre-se novas oportunidades, novos olhares, mas, agora mais experiente, mais consciente.
Toda despedida é o início para a nova chegada.
Bem Vindo Futuro! Bem vindo Novos amores!


Aos amores do passado deixo um lindo poema de Cecília Meireles.

Despedida




Por mim, e por vós, e por mais aquilo
que está onde as outras coisas nunca estão,
deixo o mar bravo e o céu tranquilo:
quero solidão.

Meu caminho é sem marcos nem paisagens.
E como o conheces? - me perguntarão.
- Por não ter palavras, por não ter imagens.
Nenhum inimigo e nenhum irmão.

Que procuras? Tudo. Que desejas? Nada.
Viajo sozinha com o meu coração.
Não ando perdida, mas desencontrada.
Levo o meu rumo na minha mão.

A memória voou da minha fronte.
Voou meu amor, minha imaginação...
Talvez eu morra antes do horizonte.
Memória, amor e o resto onde estarão?

Deixo aqui meu corpo, entre o sol e a terra.
(Beijo-te, corpo meu, todo desilusão!
Estandarte triste de uma estranha guerra...)
Quero solidão.

Cecília Meireles

Mil Beijos!!!1 

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

SORRIA!!!!






Bom diaaaa Meu Cantinho!!!!1

Para começar bem a semana, “ um sorriso”.
Este final de semana descobri prazerosamente o poder do sorriso... então 
vamos começar cada dia assim:

Mil beijos!!!!!!!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011



SAMYAMA – DISCIPLINA- संयमः

Olá meu Cantinho !
Que coisa boa é uma prática de Swásthya Yôga logo pela manhã às 06:00, ainda melhor com um Mestre: estou me sentindo energizada, ou melhor, equilibrada como há muito não sentia!

Por isso, hoje, quero dividir aqui neste meu espaço, um pouco de conhecimento que recebemos do querido MESTRE e Maestro Carlos Cardoso; Mestre de Swásthya Yôga.
No fim de semana passado, estivemos em uma imersão de conhecimento, com cursos :
  • Introdução a LÍNGUA SÂNSCRITA, ( maravilhoso) - संस्कृत,
  • Concentração,
  • Meditação.
Com certeza um fim de semana onde todas as nossas vontades foram colocadas a prova. A vontade de aprender, de continuar mesmo com todas as dificuldades, superar a vontade de dormir, de descansar, a vontade de parar, a vontade de saber tudo ao mesmo tempo!!!!!.
Mas, sobre tudo, a vontade de ir mais a fundo se perguntando “ QUEM SOU EU, do que eu posso ser capaz”.
Muitas outras coisas foram experimentadas ( a parte do curso ) neste fim de semana: A tolerância, o apego e desapego, a respeitar o limite do outro, a conhecer melhor os meus limites e como manter os sentidos quando alguém ultrapassa os meus limites.
Os conflitos interiores não podiam estar de fora. Ahh! Como foi difícil encarar cada um de frente e enxergar o que eu quero, o que não quero e os admitir para mim mesma, ainda que sem coragem de falar. E os desejos que nos consomem quando não atendidos... isso sim, precisamos cuidar, pois vira desapontamento.
Estou aprendendo muito com a leitura do livro BHAGAVAD GÍTÁ, do qual já comentei por aqui. Os conflitos interiores do Príncipe Pandavus a frente da batalha, e Krishna ( avatar de Vishnu) sabiamente passa-lhe os conhecimentos da vida.

Hoje, quero comentar sobre um de seus ensinamentos:
Como se lida com o Desejo:

Krishna define o Desejo como Shama ( controle dos desejos) e Dama ( autocontrole ). Ninguém tem o controle total do que acontece na mente, pois o desejo vem, aparece. Mas, pode ter o controle do que fazer após isso, identificando e disciplinado o pensamento, tendo controle dos sentimentos, passando a usar a mente como um instrumento a nosso favor. Mas, muitas vezes esse instrumento ganha vida própria e nos domina. A mente é como um carro, que temos que saber conduzir, usando a nosso favor, como instrumento para interagir com o mundo. Caso contrário, você vai para um lado e a mente para outro, entrando em colapso. Ela tem sua natural expressão. Então é necessário aprender como a mente se expressa para conseguir entender a natureza dos pensamentos. Muitas vezes, eles nos pregam peças.
Vamos, passo a passo aprendendo a conhecer a própria mente e isso é por fim o Yôgi. O yôgin não é aquele que tem a mente perfeita e sim aquele que conhece a sua mente, conhece as riquezas dela, mas, mais ainda do que isso também conhece as suas FRAQUEZAS! O yôgin se constrói nas pequenas coisas do dia a dia, sabendo trabalhar com as expectativas e frustrações. Isso, só é possível com DISCIPLINA, que em sânscrito significa SAMYAMA - संयमः.
Samyama é o oitavo ánga da nossa prática de yôga, ao executar, DHÁRANA-धारणा ( concentração), DHYÁNA-ध्यान (meditação)  e SAMÁDHI ( hiperconsciência). Cada estágio desse processo deve ser buscado com muita disciplina e domínio da consciência, que abarca nossa mente. Buscar sempre a nona ética do Yôga - TAPAS – força de vontade, superação e SWÁDHYÁYA – autoestudo.
O aprofundamento do autoconhecimento faz com que percebamos nossos pontos fortes e fracos, e nos permite descobrir formas de nos aprimorar evoluindo como indivíduo e ser-humano.

É isso por hoje. Tenho a dizer que a cada dia me descubro um pouquinho mais, e que mesmo não tendo chegado a profunda meditação, mas só estar próximo a isso já me deixa melhor, aquieta minha mente, e me devolve ao caminho do conhecimento,  abandonando conflitos interiores.








mil Beijos,


terça-feira, 22 de novembro de 2011

Presentinho de amiga Blogueira...


Querida Maria,
Obrigada pelo gentil Selo oferecido.
Um grande beijo pra vc, e saiba que me inspira muito as suas postagens, com lindas imagens de lugares que viajo com a leitura.

Beijos!!!!!!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Olha pra mim e me Ama!



Bom dia... Há algum tempo não venho aqui para confidenciar meus pensamentos. Hoje quero deixar guardado aqui uma linda música que ouvi ontem à noite e que não me sai da cabeça! O bacana é que para cada momento da nossa vida há uma letra de música que consegue expressar nosso sentimento, quando as palavras nos faltam.

Pára e olha pra mim
Pára e deixa pra lá
Deixa eu entrar em você por algum olhar
Deixa eu gostar de você
Teus medos posso curar
Deixa eu levar tua vida pra outro lugar
Pára e olha pra mim
Vê que já basta olhar
Deixa eu plantar um carinho no teu peito inquieto

Mallu Magalhães


Mil beijos!!!!

terça-feira, 15 de novembro de 2011

THOUGHTS




- What you do EVERY DAY matters more than what you do ONCE IN A WHILE; special for those who are beside you!!!

- No deposit, no return.

My thoughts for today!!!
BEIJOS

domingo, 6 de novembro de 2011

Bom dia meu cantinho...
Domingo chuvoso, bom para aquele livro que fica a nossa espera.

Em momentos de conflito interior nada melhor do que um bom livro como conselheiro, amigo sábio que te traz um pouco de lucidez.
Nestes momentos de dúvidas, pouca fé no ser humano, é que gosto das lições que, providencialmente, um livro me dá.
E é exatamente isso que ocorre esse fim de semana, buscando entender as atitudes de certas pessoas, que encontro ao ler o livro “ Bhagavad Gítá “ em uma passagem que narra os conselhos de Krishna, o Deus-Supremo, a Arjuna, um dos cinco príncipes Pândavas, quando esse se opõe a batalha contra os seus, preferindo deixar-se matar a ter que enfrentar seu destino contra aqueles que desejam a batalha; procuro entender como agir, como não deixar tais sentimentos e ressentimentos me afetarem.

45. “ Liberta-te, ó Arjuna, dessas gunas; sê livre dos contrastes das forças opostas da natureza, que pertencem à vida finta e às coisas sujeitas à mudança. Procura para teu descanso a consciência do teu EU Real, a Verdade Eterna. Deixa longe de ti os cuidados mundanos e a avidez de possessões materiais. Concentra-te em ti mesmo, e não te entregues à ilusões do mundo finito.

47. Seja, pois, o motivo das tuas ações e dos teus pensamentos sempre o cumprimento do dever, e faze as tuas obras sem procurares recompensa,
sem te preocupares com o teu sucesso ou insucesso, com o teu ganho ou o teu prejuízo pessoal. Não caias, porém, em ociosidade e inação, como acontece facilmente aos que perderam a ilusão de esperar uma recompensa das suas ações.

48. Coloca-te no meio entre esses dois extremos, ó príncipe, e cumpre, em tranquila resignação, o dever por ser dever, e não pela expectativa da recompensa. Conserva ânimo igual na ventura ou desventura: ASSIM É QUE FAZ O YÔGI.

49. Por muito importante que seja a sua reta ação, o primeiro lugar pertence sempre ao reto pensamento. Procura, portanto, o teu refúgio na paz e na calma do reto pensar, porque aqueles que baseiam o seu bem-estar só nas ações, com estas necessariamente perdem a felicidade e a paz, e caem na miséria e no descontentamento.

50. Quem atingiu a consciência de YÔGI é capaz de elevar-se acima dos resultados bons e maus. Esforça-te por atingir esta consciência, porque ela e a chave que abre o mistério da ação.

52. Quando te tiveres elevado acima da trama das ilusões, não te inquietarás com os cuidados e questões a respeito das doutrinas, nem com as disputas sobre ritos, cerimoniais e outros enfeites dispensáveis da vestimenta da idéia espiritual.

53. Livre serás, então, de todas as opiniões alheias, tanto das que se acham nos livros sagrados, como das dos teólogos eruditos ou dos que ousam interpretar o que não compreendem; em lugar disso, fixarás a tua mente na mais séria contemplação do Espírito, e assim alcançarás a harmonia com o teu EU REAL, que é a base de tudo.

55. Quando um homem, quebrou os vínculos dos desejos do seu coração e está internamente satisfeito consigo, atingiu a Consciência Espiritual e firmou-se no conhecimento.

56. A sua mente não é turbada nem pela adversidade nem pela prosperidade: aceita ambas, sem apegar-se a nenhuma. Nele não tem parte a ira, nem o medo, nem as paixões; ele merece o nome de sábio.

57. Com equanimidade suporta as vicissitudes da vida, tanto as favoráveis como as desfavoráveis; não se entrega nem à alegria excessiva, nem à tristeza. NADA LHE ROUBA A LIBERDADE.

Livro: Bhagavad Gítá - A mensagem do mestre. Traduzido por Francisco Valdomiro Lorenz

É com esse trecho que quero meditar ao longo da semana e buscar o equilíbrio dos
pensamentos, sem deixar que ações externas desestabilize o meu interior.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Os Ternos empoeirados


Os meus ternos empoeirados deixados no armário me fazem lembrar o amor que ficou para trás.

O silêncio da casa vazia, só com as coisas que você não quis mais, lembra a sua ausência que me faz companhia. E de repente, nada mais faz sentido, as lembranças guardadas em uma caixa de papelão em forma de memória, eu já me acostumei a esquecer; quanto tempo faz?!!

Hoje é o dia, deixo as fotos, deixo o gosto do seu gosto, misturado com o que não sobrou, eu nem me lembro mais. E nos seus olhos não me reconheço mais, nos meus abraços já não te acho mais.

E a casa agora habitada por outro, lembra um filme que eu já vivi, passando sem parar em outro lugar, sentindo o que eu senti, misturado com o que não ficou. Então fica a memória, ficam as lagrimas, ficam as fotos, eu nem me lembro mais.

A estrada agora é tudo o que restou.


As despedidas são assim, tristes assim! Mas, são fases de crescimento, descobertas, novas oportunidades.

Mil beijos, meu querido amigo, que me inspirou a escrever hoje!

Uma rosa para Vlad!

Sábio cigano, meu pensamento da manha foi seu, em agradecimento pela visita aos seus amigos, pelo carinho, pelo zelo, e por cuidar dos amigos queridos que aqui te ouvem e te estimam. Sua rosa continua bela, florindo cada dia mais. Eternizada na lembrança.
Mil beijos !!!!!!!!!!!!

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

A diferença de quem vive o MOMENTO!

Oláaaaaa meu cantinho.

É impressionante como determinadas pessoas têm a consciência do “ agora”.

Neste mundo de correria, estresse e de “ ISSO É URGENTE” que vivemos no ambiente de negócios – e trazemos isso para a nossa vida pessoal – não paramos para vivenciar a atividade que executamos no momento, sem focar o pensamento no que estamos fazendo no instante, não evitando de direcionar a mente para a próxima tarefa ou outras coisas que passam pela nossa cabeça.

Isso faz com que o tempo passe muito mais rápido, porque a sensação é que nunca temos tempo para determinadas coisas, pois você não está no presente, na ação imediata, mas sim preocupados com o que mais precisa ser feito, com quem mais temos que manter contato, sem aproveitar o momento vivido.

Esta semana fui surpreendida quando em um almoço de negócios na Argentina em companhia de um fornecedor australiano, o mesmo me respondeu quando comentei:

“ - Olhaaa, que bom aqui tem Wi-Fi, se você quiser e precisar, fica a vontade para conectar o notebook e acessar seus e-mails e trabalhar já que está fora do escritório a dias”.

Gentilmente ele respondeu :

“ - Para que eu iria querer me conectar e trabalhar se estou aqui em sua companhia com esse almoço agradável, vamos vivenciar isso”.

Sei que não houve segundas intenções na sua frase, mas sim uma grande lição de “ VIVER O AGORA” e não se preocupe com o que está por vir no amanhã, viva o agora com quem está ao seu lado.

Infelizmente, nos dias atuais com tamanho desenvolvimento da informatização perdemos este feeling na vida, e seguimos o mesmo rítimo que é imposto pela internet.

Trazendo este pensamento para a filosofia que ensino, também precisamos vivenciar a prática de Yôga no agora. O ánga ásana é um dos principais onde conseguimos exercer essa prática, pois em cada movimento corporal a mente precisa estar presente, a consciência no movimento é que proporciona o efeito desejado. O praticante deve buscar a execução correta, a respiração adequada, atitude interior, a consciência corporal e o aquietamento da mente. Isso irá influenciar a aparencia física, emocional e a perspectiva perante a vida.

Sinceramente, agradeço a cada dia pelas simples lições que recebo de cada um que passa por mim, mas que são profundos ensinamentos e fatores de mudança no meu comportamento!


Mil beijos!!!!!

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Preceitos aos instrutores de Yôga

Foto da minha graduação à instrutora de Swásthya Yôga no último Sat Chakra na unidade Cascavel

Bom dia Meu cantinho!!!

Quero guardar aqui minha lembrança do momento "físico" da passagem de aluna graduada a Instrutora de Swásthya Yôga. Digo físico porque, de coração, já havia internalizado essa filosofia em minha vida independente de qualquer obstáculo a ser percorrido, mas, lembrando sempre daqueles que muito me apoiaram. Dos verdadeiros amigos que estavam presentes " física ou mentalmente" neste percurso. Deixando para trás conceitos "moralistas" que aprisionam, atitude que escravizam , conhecendo o mundo interior e buscando a cada dia o amadurecimento e a evolução do SER. Sei que tenho muito a aprender, muito a melhorar e muita a evoluir. Aos queridos e eternos amigos, digo OBRIGADA e compartilho com vocês na integra o texto escrito pelo Mestre DeRose sobre os preceitos aos instrutores de Yôga.

......

Só ensines aquilo que dominares bem.

Não hesites em confessar ignorância sobre o que desconheceres. Sábio é aquele que conhece seus limites e tolo o que quer ter resposta para tudo.

Determina-te a superar-te a cada dia, para aprender o que não souberes e crescer como ser humano.

Procura dosar teu ensinamento, transmitindo a cada pupilo apenas aquilo que ele puder digerir, pois a mesma luz que ilumina os olhos é a que pode cegá-los se for excessiva.

Como a semente do carvalho tem uma árvore dentro de si, cada discípulo é um Mestre em potencial. Ao transmitir o ensinamento, lembra-te de ensinar sobre como perpetuar a mensagem; e faz como o carvalho que firma suas raízes e espalha seus ramos.

Teu tempo sobre a Terra é curto como a duração do relâmpago e menor ainda é a persistência do discípulo. Portanto, ensina o máximo que puderes o mais rápido possível. Não há tempo a perder!

A serpente peçonhenta só é perigosa quando enroscada, pois, só assim, tem a energia potencial para desfechar o ataque. Evita como discípulo todo aquele cuja personalidade seja enrolada como a víbora antes de dar o bote: esse será um provável traidor.

A árvore podada cresce mais e o guerreiro ferido muitas vezes em combate torna-se perito no uso das armas. Tal exacerbação do instinto de sobrevivência é obtida pela disciplina e pelas dificuldades. O melhor discípulo será aquele sobre o qual forem aplicadas as maiores exigências e as mais duras críticas. O mais talentoso instrutor será aquele que tiver enfrentado as mais atrozes dificuldades no afã de bem desempenhar sua missão.

Assim como o elefante segue as trilhas antigas marcadas pela passagem das manadas que o precederam, da mesma forma o instrutor de Yôga deve respeitar as trilhas assinaladas pelo seu Mestre.

O rio que segue sempre para o mar jamais será duas vezes o mesmo rio, pois suas águas já passaram e novas águas passarão. O bom Mestre não se desvia do seu rumo, mas segue continuamente se renovando.

DeRose

Fonte: http://www.metododerose.org/blogdoderose/filosofia/preceitos-aos-instrutores-de-yoga/?r=blogdoderose/uni yoga_arquivo_derose/preceitos-aos-instrutores-de-yoga/



Mil Beijos!!!!!!!!!!!!!

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Uma ostra que não foi ferida não produz pérolas...

Bom dia Meu Cantinho!!!

Começando muito bem esta semana chuvosa e de um fim de semana maravilhoso! Hoje lendo um dos blogs que gosto de acompanhar me deparei com uma postagem interessante que me traz boas vibrações. O texto foi escrito em metáforas como um recurso facilitador de insights, para àqueles que embora muitas adversidades na vida, conseguem seguir e melhorar a cada dia. Este texto demonstra um pouco do muito que passamos e do que podemos produzir com as nossas experiências!

Pérolas são produtos da dor; resultados da entrada de uma substância estranha ou indesejável no interior da ostra, como um parasita ou grão de areia.

Na parte interna da concha é encontrada uma substância lustrosa chamada nácar. Quando um grão de areia a penetra, as células do nácar começam a trabalhar e cobrem o grão de areia com camadas e mais camadas, para proteger o corpo indefeso da ostra.

Como resultado, uma linda pérola vai se formando.

Uma ostra que não foi ferida, de modo algum produz pérolas, pois a pérola é uma ferida cicatrizada.

O mesmo pode acontecer conosco. Se você já sentiu ferido pelas palavras rudes de alguém? Já foi acusado de ter dito coisas que não disse? Suas idéias já foram rejeitadas ou mal interpretadas? Você já sofreu o duro golpe do preconceito? Já recebeu o troco da indiferença?

Então, produza uma pérola!

Cubra suas mágoas com várias camadas de amor.

Infelizmente, são poucas as pessoas que se interessam por esse tipo de movimento. A maioria aprende apenas a cultivar ressentimentos, mágoas, deixando as feridas abertas e alimentando-as com vários tipos de sentimentos pequenos e, portanto, não permitindo que cicatrizem.

Assim, na prática, o que vemos são muitas "Ostras Vazias", não porque não tenham sido feridas, mas porque não souberam perdoar, compreender e transformar a dor em amor.

Um sorriso, um olhar, um gesto, na maioria das vezes, vale mais do que mil palavras.

(autor desconhecido)


A cada dia tenho aprendido que as adversidades da vida não servem para nos deixar rancorosos, mas sim para nos proporcionar forças impulsoras para nosso crescimento e amadurecimento. Não são os bajulos que nos transformam, mas sim, as críticas que nos fazem pensar em como melhorar e os amigos verdadeiros que percorrem o caminho e nos apóiam com amor e sabedoria.

Mil beijos !!!!!!

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

O que realmente importa!

Bom diaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa Meu cantinho!!!!

Hoje acompanhando o noticiário da manhã, ouvi a informação da morte de um dos vísionários do nosso tempo: Steve Jobs. Mas, o que me chamou a atenção foi a mensagem que ele deixou sobre a morte.

Ele mudou e moldou boa parte do mundo em que vivemos. Steve Jobs era um perfeccionista que exigia funcionalidade casada com elegância e bom gosto. A maneira como nós interagimos com os computadores e telefones, tocando nas telas, usando e trocando música, imagens, mensagens e textos – tudo isso veio da visão de Steve Jobs. O homem ousado, inovador, quase tinhoso e perfeccionista ao extremo, costumava resumir suas invenções em uma frase curta: “Simplesmente funciona”.

Mas o que mais me chamou a atenção foi apesar de o fato de ter que enfrentar uma doença cruel como o câncer ele continuou sua missão, seus planos, com produtos inovadores até tornar a sua empresa este ano a de maior valor de mercado dos Estados Unidos.

Ele deixou uma mensagem fundamental sobre a transitoriedade da existência:


A morte é a melhor invenção da vida. É o agente da mudança. É o que afasta o velho para dar lugar ao novo. Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira de evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder. Seu tempo é limitado. Tenha a coragem de seguir o que seu coração manda”.

Lembrar que logo vou estar morto é a mais importante ferramenta que eu já encontrei para me ajudar a fazer as grandes escolhas na vida”

Fonte:g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2011/10/morte-de-steve-jobs-aos-56-anos-repercute-em-todo-o-mundo.html


Tenho pensado muito nestes últimos tempos no que realmente importa nesta vida, o que vale a pena empregarmos nossas energias e o que não vale a pena. Mas, principalmente a dar atenção as vontades e os sonhos que surgem ao longo da vida, pois o tempo passa para todos, depende do que você vai fazer com o seu tempo.

Mil beijos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!


quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Bom dia a todos que ao meu lado estão ou já estiveram algum dia !!!!!!!!!!!!!!!!!!
Hoje lendo o blog de um querido amigo, encontrei um texto tão apropriado que, por coincidência ou não, ouvi de um amigo este fim de semana.
Segue então o texto e obrigada querido Maycon por me emprestar um tempinho da sua vida.....

" ... Pessoas entram na sua vida por uma "Razão", uma "Estação" ou uma "Vida Inteira". Quando você percebe qual deles é, você vai saber o que fazer por cada pessoa.

Quando alguém está em sua vida por uma "Razão"... é, geralmente, para suprir uma necessidade que você demonstrou. Elas vêm para auxiliá-lo numa dificuldade, te fornecer orientação e apoio, ajudá-lo física, emocional ou espiritualmente. Elas poderão parecer como uma dádiva de Deus, e são! Elas estão lá pela razão que você precisa que eles estejam lá. Então, sem nenhuma atitude errada de sua parte, ou em uma hora inconveniente, esta pessoa vai dizer ou fazer alguma coisa para levar essa relação a um fim. Ás vezes, essas pessoas morrem. Ás vezes, eles simplesmente se vão. Ás vezes, eles agem e te forçam a tomar uma posição. O que devemos entender é que nossas necessidades foram atendidas, nossos desejos preenchidos e o trabalho delas, feito. As suas orações foram atendidas. E agora é tempo de ir.

Quando pessoas entram em nossas vidas por uma "Estação", é porque chegou sua vez de dividir, crescer e aprender. Elas trazem para você a experiência da paz, ou fazem você rir. Elas poderão ensiná-lo algo que você nunca fez. Elas, geralmente, te dão uma quantidade enorme de prazer... Acredite! É real! Mas somente por uma "Estação".

Relacionamentos de uma "Vida Inteira" te ensinam lições para a vida inteira: coisas que você deve construir para ter uma formação emocional sólida. Sua tarefa é aceitar a lição, amar a pessoa, e colocar o que você aprendeu em uso em todos os outros relacionamentos e áreas de sua vida. É dito que o amor é cego, mas a amizade é clarividente. Obrigado por ser parte da minha vida...."


Mil beijos à quem tem muito valor para mim!!!!

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Os Ciclos da vida.

Bom dia meu cantinho,

Como gosto de estar aqui e guardar meus pensamentos!!!!

Hoje analiso como um evento pode mudar a nossa maneira de ser. Como um fim de semana pode representar o fim de um ciclo e o começo de outro. Este fim de semana foi muito mais do que eu estava esperando e poderia imaginar. Na minha infinita ignorância achava que seria apenas mais um passo a dar num simples percurso. Ledo engano! Sem perceber a vida me colocou a prova de muitos obstáculos ( internos ) e fui enxergando cada dificuldade, cada fraqueza que tenho. Como podemos nos sabotar quando o subconsciênte não quer se desprender de algo que já esta enraizado, como o medo pode projetar doenças no corpo físico . Como não conseguimos manter o controle, ou melhor, o auto-controle em situações tão particulares que acabam desestabilizando o emocional e quase arriscando que tudo vá por água abaixo.

Neste fim de semana algumas virtudes foram colocadas a prova: Como me comportar em situaçoes de pressão, como controlar o nervosismo, como manter a mente serena a ponto de não errar o português ao falar, como administrar o fato de ter alguém que você admira muito e que está observando as suas falhas.

Para alguns, este fim de semana foi apenas mais uma etapa da vida, para mim, significou que aos 34 anos tudo o que eu sabia mudou. Que sem perceber, ao desabafar e dividir segredos tão bem guardados do passado, deixei para trás marcas de cicatrizes que me aprisionavam e que agora não me pertencem mais. Incrivelmente, me sinto tão diferente, com uma força interna que me diz que independente de qual seja o problema, a dificuldade, as respostas, os resultados, as mudanças ou as despedidas de pessoas que gosto, tudo vai ficar bem, porque EU ESTOU BEM COMIGO MESMA. Surpreendentemente encontrei uma calma que a partir de agora quero desenvolver.

Enfim, o resultado: Sim, passei, fui aprovada no exame da federação de Yôga, embora eu achasse que não seria, e continuo achando que muito deve ser desenvolvido, a partir de agora nasce um novo caminho, mas desta vez totalmente diferente.

E para encerrar e esquecer que tudo até agora foi conquistado na maioria das vezes com dificuldades, lembro de um frase do filósofo chinês e muito sábio Confúcio, que viveu no século VI a.c. : " A DIFICULDADE NA MISSÃO É A MEDIDA DE UM CAVALHEIRO".


Mil beijos, e que aqueles que continuarem ao meu lado percebam

as mudanças em mim e o amor que renasce.








sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Corpo em equilíbrio


Hoje, quero comentar sobre o equilibrio. Não apenas equilibrio corporal, mas também equilibrio emocional.

No Yôga, aprendemos a desenvolver nosso senso de equilibrio através de várias técnicas corporais, trazendo nossa atenção para as instabilidades do corpo, desenvolvendo a concentração. Alguns ásanas como Padásana, prathanásana ( com um pé a frente do outro ) e melhor ainda se for com os olhos fechados. É incrível como não conseguimos manter o corpo estático, por muito tempo, a musculatura começa a cansar, a mente começa a divagar, e em pouquisimo tempo você começa a pender de um lado para o outro.

Existe um outro ásana, gárudásana que ajuda a tornar-se consciente de como usar seu corpo. Você provavelmente notará a dificuldade em se equilibrar e entrelaçãr os braços e as pernas. Isso me faz lembrar de como é difícil também se equilibrar com as atividades do dia a dia, com as exigências no trabalho, ou até na sua vida afetiva, quando algumas situações nos desequilibram os sentidos.

Por isso, gosto muito das técnicas de equilibrio, buscando integração do corpo e da mente. Nas primeiras tentativas, você pode achar difícil se equilibrar e até cair. Mas e daí?

Quando você aceita o movimento natural do equilíbrio, consegue parar de se segurar e ir com o vento.

Perder o equilíbrio não importa, de verdade. Como lidamos com este momento e como voltamos ao equilíbrio, todo dia, sempre e sempre – isso é a prática de Yoga. É algo como nunca desistir, fluir com o momento e confiar que você vai dar um jeito.



Mil beijos,


terça-feira, 13 de setembro de 2011

Pensamento do dia....

Flexibilidade é juventude; rigidez é velhice. Quanto mais flexível mais jovem, quanto mais rígido mais velho.

A morte é a rigidez absoluta.

Vida é absoluto desprendimento e flexibilidade.

Não apenas flexibilidade corporal, mas sim flexibilidade emocional, comportamental e com suas atitudes.

Pense nisso, eu do meu lado estou refletindo muito sobre isso.


quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Filosofia, religião, política: existe mesmo independência?

Bom dia Meu cantinho...

Que coincidência, hoje 7 de setembro comemoramos 189 anos da independência do Brasil.

Comemorar independência do quê, se vivemos em pequenas prisões, onde o poder político atua sobre os mais fracos para obter maiores lucros pessoais, onde empresas exigem cada vez mais dos seus empregados, onde religiões disputam seus discípulos com falsas doutrinações, onde até mesmo filosofias milenares que serviriam para a evolução do Ser são deturpadas em prol da dominação e bajules sutis para amansar um ego ferido .

Bem, mas a coincidência a que me refiro é porque hoje achei o filme que há algum tempo estava buscando para assistir e que também trata de doutrinação e como, mesmo passados séculos, o ser humano ainda continua usando religião e política distorcidas.

ALEXANDRIA ( ÀGORA).

O filme relata a história de Hypátia, filósofa e professora em Alexandria, no Egito entre os anos 355 e 415 da nossa era. Hypátia ensina filosofia, matemática e astronomia na Escola de Alexandria, junto à Biblioteca. Resultante de uma cultura iniciada com Alexandre Magno, passando depois pela dominação romana, Alexandria é agitada por ideais religiosos diversos: o cristianismo, que passou de religião intolerada para religião intolerante, convive com o judaísmo e a cultura greco-romana.

Hypátia tem entre seus alunos Orestes, que a ama, sem ser correspondido, e Sinésius, adepto do cristianismo. Seu escravo Davus também a ama, secretamente. Ela não deseja casar-se, mas se dedica unicamente ao estudo, à filosofia, matemática, astronomia, e sua principal preocupação, no relato do filme, é com o movimento da terra em torno do sol.

Mediante os vários enfrentamentos entre cristãos, judeus e a cultura greco-romana, os cristãos se apoderam, aos poucos, da situação, e enquanto Orestes se torna prefeito e se mantém fiel ao seu amor, o ex-escravo Davus (que recebeu a alforria de Hypátia) se debate entre a fé cristã e a paixão. O líder cristão Cyril domina a cidade e encontra na ligação entre Orestes e Hypátia o ponto de fragilidade do poder romano, iniciando uma campanha de enfraquecimento da influência de Hypátia sobre o prefeito, usando as escrituras sagradas para acusá-la de ateísmo e bruxaria.

É impressionante como o filme capta a mais vil intolerância e opressão e mostra com clareza como se manipulam textos, vontades e pessoas. E como, neste caudal imenso, ninguém, senão quem tem mais poder, tem alguma razão. Nos faz pensar sobre nós mesmos e nossas escolhas. Não é a religião que é má, nem a ciência que é boa... Cada uma tem o seu lugar. O que realmente prejudica tudo são aqueles que manipulam a religião, a política até mesmo a filosofia para obter vantagens.

Não posso deixar de comentar também como o amor nos aprisiona, mas ao mesmo tempo nos tá sentido a vida. No filme fica muito claro a prisão dos sentimentos e a revolta da rejeição, alterando até mesmo o destino de uma pessoa.

Mas, não quero que minhas percepções estraguem a sua visão do filme, recomendo que o assista.

Um ótimo feriado e parabéns povo brasileiro.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Respirar melhor é viver melhor!

Nunca paramos para pensar que nossa existência foi com a primeira inspiração e deixaremos este mundo na última expiração. Este processo é tão natural, que raramente percebemos sua importância.
Estamos constantemente aprendendo tanta coisa ao longo da vida, mas não sabemos fazer direito à coisa mais vital e prazerosa que é, simplesmente, RESPIRAR. Respiramos na maioria das vezes de maneira superficial e insuficiente, utilizando apenas 10% da capacidade pulmonar, uma respiração miserável. Geralmente a pessoa respira conforme é sua vida: de forma rápida e automática e acaba ficando tensão, estressada, com falta de ar em determindos eventos como uma caminhada, envelhecendo muito mais rápido.
O YÔGA, filosofia milenar originada da Índia antiga utiliza a respiração como um de seus principais métodos. Todos os seus conjuntos de técnicas são potencializados através dos PRÁNÁYÁMAS (exercícios respiratórios).
A respiração deve ser nasal, profunda, silenciosa, prazerosa e acima de tudo consciente. Os PRÁNÁYÁMAS melhoram a capacidade respiratória, fortalecem músculos abdominais e intercostais, massageiam o diafragma, aumentam a resistência física, reduz a ansiedade e o estresse, atua equilibrando as emoções, traz vitalidade e oxigenando melhor todos os órgãos internos e torna consciente uma função vital que antes era involuntária, melhora profundamente a qualidade do sono. Enriquece o oxigênio da corrente sanguinea e auxilia na drenagem linfática. A respiração do Yôga reflete-se em vários aspectos da vida: saúde, trabalho, esportes, na hora de dormir, nos relacionamentos (pois está ligada diretamente com as emoções) e na sensação de bem-estar.
O termo em sânscrito PRÁNÁYÁMA é formado pelos vocábulos PRANA (alento, energia vital), YAMA (controle, domínio) e AYAMA (expansão, propagação). Pode então ser traduzido como o domínio e expansão da bioenergia através de respiratórios.
O desenvolvimento e o controle dessa força levam a profundos estados de consciência, indispensáveis para vivenciarmos SAMYAMA, técnica de concentração, meditação e hiperconsciênica – Dhárana, Dhyana e Samádhi, (mas este é um assunto para um outro post).

Quando respiramos promovemos o sustento vital para o corpo físico denso e a partir do instante que tomamos consciência dessa técnica e tormamos a respiração cada vez mais lenta e profunda começamos a controlar o ar que alimenta nosso corpo sutil ou PRANA. Ao executar a técnica PRÁNÁYÁMA conseguimos alteram o ritmo normal da respiração por meio da consciênica, tornando-a lenta e profunda ou acelerada e vigorosa, dependendo do efeito que se deseja. Isso é devido a estreita relação entre ritmo respiratório e níveis de consciência. Através das técnicas respiratórias do Yôga, o praticante pode silenciar a mente, aquietando os pensamentos e o corpo, podendo assim atingir os mais avançados estados de consciência e conseguindo entrar no estado de meditação.

Então, começe a observar se está respirando apenas para sobreviver, ou se a respiração é algo prazeroso para você.
Mil beijos e …inspire profundo e expire lentamente !!!!!